encerramento | na sala do pai tour*2013 ::

Este slideshow necessita de JavaScript.

Algumas semanas após entramos de cabeça no ministério integral, ministramos em alguns eventos e igrejas (se pudéssemos estaríamos ministrando durante todos os dias da semana), mas pra isso acontecer teríamos que receber mais convites, e como alguma igreja ou ministério nos convidaria sem ao menos saber que existimos?

Já faziam alguns dias em que havíamos pensado em ir até uma cidade chamada Wenceslau Braz-PR para rever um grande casal de pastores que estavam iniciando uma nova igreja batista naquela cidade. Eles foram enviados para Wenceslau há pelo menos dois anos, depois de quatro anos de trabalho na Igreja Batista de Vila Sandra, em Curitiba–PR. Não tínhamos ideia alguma sobre como era a Igreja Batista em Wenceslau Braz, mas estávamos interessados em ir até lá para revê-los e levar a eletrochurch junto. Enviamos uma mensagem para o pastor e ele mostrou-se interessado em saber mais sobre essa maluquice de eletrochurch, pedimos um telefone de contato e ligamos para ele, falamos sobre o que estávamos fazendo no Reino de Deus, contamos um pouco sobre o fato de deixarmos tudo para trás para seguir a Cristo de forma mais radical e ele topou marcar algo em Wenceslau Braz–PR, seriam três dias de ministração, de sexta a domingo, ficamos bem empolgados em servir a igreja da cidade, este seria o primeiro evento a mais de 150 km de distância da cidade que estávamos morando.

Um de nossos desafios seria levar a banda completa, primeiro que não tínhamos nenhum baterista fixo e a Liz estava a mais ou menos duas ou três semanas aprendendo a tocar algumas notas no baixo (na verdade ela fazia baixo usando um violão DiGiorgio 1977 que ela havia ganhado do seu tio alguns anos atrás), o outro detalhe era que estaríamos ministrando justo numa sexta-feira, e o nosso guitarrista estaria trabalhando durante aquela semana, como faríamos para levar uma equipe completa se nem tínhamos uma? Não tínhamos como pagar para que ele fosse de ônibus de Campo Largo–PR até Wenceslau Braz–PR, muito menos de carro. Começamos a buscar em Deus quem poderíamos levar para ministrar conosco, mas parecia que todo mundo estava ocupado demais para ir junto, mesmo sabendo que seria um grande desafio levar ao menos um baterista e um guitarrista que pudessem ficar longe de casa por tantos dias.

Por que não marcarmos de ministrar em algumas cidades pelo caminho? Por que não ficarmos fora durante uma semana inteira ministrando? Pensamos “estamos aí pra isso”, apesar de termos muitas coisas para fazer durante a semana, poderíamos ousar e nos concentrarmos em pregar o evangelho em algumas cidades ao longo do caminho. Enquanto tentávamos convidar alguns amigos para ir conosco nesta jornada, buscamos algumas igrejas que porventura quisessem nos receber para pregar a Palavra e conduzir adoração. Perdemos as contas de quantas pessoas estavam ocupadas demais para topar este desafio conosco (ok, sabemos que nem todo mundo pode pegar uma semana de “folga” bem no meio do mês, mas enfim, o desafio fora lançado). Contactamos uma porção de igrejas que ficavam no caminho até Wenceslau, mas descobrimos que muitas igrejas não abrem durante a semana, pois os telefones tocavam, tocavam e ninguém atendia.

Algumas igrejas se achavam pequenas demais para realizar um culto conosco durante a semana, em geral, sempre tentamos explicar que não somos “artistas” em tempo integral e sim, ministros/missionários, em tempo integral – mesmo usando da arte que Deus nos deu para anunciar o Seu Reino e a Sua glória preferimos não deixar o lado artístico falar mais alto que o chamado de Deus. Para nós, o número de pessoas presentes num culto ou evento é indiferente, contanto que Deus se faça presente para desafiar e transformar vidas enquanto o adoramos. Enquanto adoramos a Deus, Ele mesmo toca e move o coração das pessoas. Outro fator importante é que não cobramos cachês, só pedimos uma oferta digna para vivermos, pagarmos nossas contas e despesas normais, e dependendo da distância, quando necessário, pedimos uma ajuda com as custas de viagem, ou seja, nada muito absurdo, apenas gasolina, pedágios, e eventuais despesas de viagem.

Sabemos que muitos lugares preferem contratar músicos ou artistas que cobram cachês absurdos para fazer um show, sendo que outros lugares convidam ministros e nem ao menos ofertam – indiferente do valor levantado – sem ao menos se preocupar se o pregador ou ministro precisa pagar um teto para morar, comprar comida ou suprir necessidades básicas – sem luxo, mas tendo o básico e o necessário para viver. Entendemos que um pregador ou ministro do evangelho pode ser um “fazedor de tendas”, mas ele não deveria precisar fazer tendas para o resto da vida, ou ter que morar em tendas pelo resto da vida e muito menos ter que morrer em tendas, pois todo obreiro é digno de seu salário, por mais que muitos ainda não entendam isso. Sabemos que muitos músicos, pregadores e artistas cristãos costumam cobrar algum valor pré-determinado, pois foram abusados ao ministrar em algumas igrejas, ao sair sem receber nada, nenhuma oferta e muitas vezes, nem as custas do transporte. Sabemos que esta é uma dura realidade aqui no Brasil, mas decidimos ao menos tentar levar isso de forma diferente, pois não devemos cobrar “por uma noite”, não somos prostitutos para cobrar um valor pré-determinado para ministrar em algum lugar. Tirando o valor das custas da viagem, o restante da entrada deveria ser uma oferta digna, levantada de acordo com a realidade da igreja local (se a comunidade não consegue levantar algum valor razoável de oferta em um só dia, porque não ir juntando um determinado valor, aos poucos, para poder ofertar ao ministro convidado, sem constrangimento?) e demais despesas como alimentação e hospedagem são facilmente resolvidas quando algum pastor ou irmão abre a casa oferecendo alimento e um lugar seguro de descanso para que o obreiro possa descansar, sem luxo, sem frescura. Garanto que muitos “artistas gospel” sumiriam do mapa rapidinho. Enquanto pudermos, pedimos ao Senhor que nos ajude a seguir em frente com este ministério de forma humilde, queremos buscar caminhar dessa forma enquanto Deus nos permitir, para que mais ministros de verdade possam ser levantados nessa nação. É hora de separar os “artistas” de cachês absurdos dos verdadeiros homens e mulheres de Deus, que estão dispostos a compartilhar o evangelho de forma radical, a qualquer custo.

Depois de tentar contato com algumas igrejas e com vários amigos, percebemos que o desafio seria ainda maior do que aquilo que imaginávamos. Lembramos do texto em que Jesus enviou os setenta, para pregarem o evangelho de lugar em lugar, sem levar muita coisa, procurando ficar na casa de um justo, comendo do que as pessoas ofereciam, dormindo na mesma casa onde as pessoas os recebessem até que fossem para outra cidade ou região. Lembramos também que “mesmo não sabendo, alguns hospedaram anjos”, e que quando alguém recebe um obreiro, pastor, missionário, etc…, oferecendo abrigo, auxílio, dando o que comer, está fazendo isso não apenas ao menor dos pequeninos, mas está fazendo isto ao próprio Senhor. Entendendo isso, insistimos em buscar levar pelo menos mais duas pessoas conosco, mesmo se uma delas não soubesse cantar ou tocar alguma coisa, pois seria uma experiência muito além do que apenas fazer um tour em cinco ou seis cidades, seria algo ainda maior do que sairmos de casa para ministrarmos em lugares diferentes e ainda divulgarmos o que estávamos fazendo… seria algo grande, muito maior que tudo isso, pode acreditar!

Oramos a Deus e topamos o desafio de viajar neste propósito de ir de cidade em cidade, sendo Jesus para cada cidade, anunciando o Seu Reino e a Sua glória por onde estivéssemos, seria uma jornada de fé, já sabíamos que nenhum amigo poderia ir conosco desta vez, mas estávamos decidimos a não esmorecer. Ainda não tínhamos nem a grana dos pedágios e da gasolina para pegarmos a estrada, nem para ir de cidade em cidade, muito menos para chegar até Wenceslau Braz–PR. Pedimos para o Senhor levantar o dinheiro para iniciarmos a jornada e convidamos uma pessoa para almoçar conosco no final da semana, separamos um tempo para contarmos mais sobre o que estávamos fazendo e compartilhamos sobre este novo desafio. Antes de ir embora, este irmão perguntou se já havíamos conseguido levantar o dinheiro necessário para a viagem de ida, respondemos que ainda não, mas que estávamos convictos que Deus não falharia em levantar os recursos, pois nos colocamos a disposição dEle e de Seu Reino, então a pessoa riu e colocou a mão no bolso, ofertando o dinheiro da ida.

No início da outra semana, juntamos algumas coisas, fizemos as malas, arrumamos os cachorros (Charlie e Beethoven), abastecemos o carro, calibramos os pneus e pegamos a estrada. Saímos de Ponta Grossa-PR e nossa primeira parada seria Carambeí-PR, pouco antes de chegarmos lá, tentamos contato com uma igreja que só poderia nos receber se tivéssemos uma “carta”, contamos que não fazíamos parte da mesma denominação, por isso não tínhamos uma “carta” – na verdade, a única carta que tínhamos em mãos era uma conta de telefone que havíamos recebido pouco antes de sair de casa. O pastor da carta nos disse que poderíamos tentar falar com o superior dele, que talvez este, pudesse nos receber, mesmo não tendo a tal da carta. O mais engraçado é que nós dois temos parentes nesta mesma denominação, sendo que dois deles são pastores extremamente influentes, pessoas que ajudaram a escrever a história daquela denominação durante toda as suas vidas, poderíamos ter alguns benefícios inter-denominacionais por isso, mas decidimos escrever nossa própria história com Deus, por isso, seguimos nosso rumo. Ao chegarmos em Carambeí–PR procuramos alguma outra igreja que pudesse nos receber e buscamos direção de Deus, entendemos que deveríamos seguir viagem até Castro–PR, esperamos poder voltar em breve.

pibwb2

Ao chegarmos em Castro–PR, procuramos um lugar para estacionar e buscamos a direção de Deus sobre onde iriamos ficar, pedimos ao Senhor que levantasse alguma igreja que pudesse nos oferecer apenas um lugar seguro para passar a noite e se possível, uma igreja para ministrarmos. Demos uma volta na cidade e o Senhor nos direcionou a uma igreja pentecostal da cidade, chegamos até lá e o culto já estava quase no final. Após o término do culto, os presbíteros nos receberam com muita simpatia e contamos sobre nosso propósito de ir de cidade em cidade até nosso destino e eles toparam nos receber, mas acharam melhor encontrar alguma outra família que pudesse nos dar um pouco mais de atenção, pois eles sairiam as quatro da manhã para trabalhar em outra cidade, mas deixaram claro que se ninguém pudesse nos receber, eles dariam um jeito de ficarmos na casa deles. Este casal nos levou até uma outra igreja e conversou com o pastor responsável, esperamos um pouco até encerrarem as atividades da igreja naquela noite.

Enquanto esperávamos dentro do carro, percebemos que aquela igreja tinha muitos jovens, estavam todos bem animados, saindo do culto com muita alegria, em plena terça-feira. Ficamos felizes ao ver isso, notamos que até as conversas, em geral, eram relacionadas as coisas de Deus, ficamos animados com isso. Depois de algum tempo, o casal que nos recebeu nos encaminhou para o pastor responsável desta outra igreja, agradecemos aos presbíteros e nos despedimos. Acompanhamos o pastor desta igreja até o escritório dele e nos apresentamos, logo falamos sobre nosso ministério com a eletrochurch, de onde éramos, para onde estávamos indo e o que estávamos fazendo. Ele ficou admirado com o propósito da eletrochurch e nos disse que é necessário ter muita coragem para fazer algo assim, que muita gente não ousaria um desafio desses, então ele e sua esposa decidiram nos receber. Ele nos disse que não poderia nos receber para pregar ou tocar, pois a igreja já estava com as atividades programadas para aquela semana, mas eles nos levariam para dormir em algum lugar seguro e pediu para seguirmos o carro deles. Algumas poucas quadras depois, paramos em frente a um hotel, o pastor disse que nos deixaria ali para descansarmos e seguirmos com nosso propósito durante os próximos dias. Ficamos extremamente constrangidos e perguntamos se não havia algum lugar mais simples para ficarmos, pois só procurávamos um lugar simples para passar a noite, nem que fosse uma garagem, pois não temos problemas em dormir no carro. Ele insistiu que queria nos deixar lá para podermos descansar, apesar de muito surpresos e constrangidos, aceitamos ficar ali, então agradecemos e nos despedimos. Sabíamos que o Senhor atenderia nossas orações de encontrar um lugar para ficar, mas sinceramente, não esperávamos que Deus fosse nos surpreender dessa forma. Até os cachorrinhos puderam ficar no quarto conosco, logo depois, bateu a fome, mas ainda tínhamos algumas frutas, biscoito e um salgadinho genérico. Era o suficiente. Agradecemos a provisão, o cuidado e o carinho de Deus, intercedemos pela igreja de Cristo na cidade, independente de denominação, entramos em contato com alguns irmãos de Curitiba-PR e de Ponta Grossa-PR para informar onde estávamos e o que faríamos no outro dia, então fomos dormir.

Acordamos cedo, tomamos banho, tomamos café da manhã – e que café da manhã! Entramos em contato com algumas igrejas da cidade para podermos ministrar a noite. Alguns disseram que logo nos retornariam para conversar e possivelmente abrir as portas para ministrarmos, mas nunca retornaram. Visitamos algumas livrarias para divulgar o Eletrochurch | acústico EP e depois paramos para buscar direção de Deus para o próximo passo. Entendemos que era para seguirmos rumo a Piraí do Sul-PR, por isso ligamos para algumas igrejas de lá, foi então que uma igreja de nossa denominação decidiu nos receber.

pibwb8

Seguimos viagem para lá, estaríamos pregando e compartilhando algumas canções no culto de oração da igreja. Ao chegar em Piraí do Sul, paramos num posto de gasolina para orar e escrever a mensagem que iriamos pregar no culto, o tempo estava um pouco fechado, não demorou muito para começar a chover. Oramos até os vidros do carro ficarem completamente embaçados, a chuva havia aumentado bastante. Depois de mais algum tempo seguimos rumo ao endereço da igreja e ao chegarmos lá o templo ainda estava fechado. Ainda faltava pelo menos uns quarenta minutos até o inicio do culto de oração, decidimos então estacionar ali mesmo e dar um tempo até o pastor e as pessoas chegarem. Apesar da chuva o pastor nos recebeu com um grande sorriso, logo entramos no templo e minutos depois o culto começou com preciosos hinos tradicionais ao som do teclado.

Tivemos o privilégio de conhecer mais alguns hinos que ainda não conhecíamos, a suas letras falavam com ardor ao coração e as melodias nos fizeram lembrar de que homens e mulheres de Deus escreveram estas canções com muito carinho para que o evangelho fosse levado através dos hinos clássicos, percebemos que estes preciosos hinos alcançaram gerações, desafiaram milhares de pessoas e jamais deveriam ser esquecidos. Muitos destes hinos expressam não apenas as palavras, mas a vida de seus autores, homens e mulheres que serviram a Deus entregando toda a sua vida para servir a Deus de todo o coração, suas canções ainda são cantadas no mundo inteiro, suas palavras ainda ecoam, quando correspondemos ao chamado de Deus para viver uma vida radical com Ele, os frutos vêm, e permanecem por longos anos, até mesmo por gerações. Seguimos cantando mais um hino clássico, um hino contemporâneo e uma de nossas canções, depois compartilhamos uma palavra de desafio com a igreja.

Depois da celebração fomos recebidos na casa do pastor e lá tivemos um tempo muito especial com ele e sua família, nos sentimos bem acolhidos e pudemos aprender bastante com as experiências de vida e ministério que eles compartilharam conosco. Logo pela manhã nos despedimos e seguimos em frente a próxima cidade, nosso coração ficou muito grato por ter estado com esta família, Deus é muito bom!

pibwb13

Ao chegarmos em Jaguariaíva-PR próximo a hora do almoço, não tínhamos nenhum contato na cidade, já havíamos tentado algum contato telefônico antes de sairmos de Ponta Grossa-PR, sem muito sucesso. Passamos pelo centro da cidade para conhecermos um pouco da cidade e encontramos um lugar que vendia coxinha a R$1,00, contamos o dinheiro que ainda nos restava e decidimos pegar dois salgados para almoçar. Depois disso, paramos para orar e buscar direção de Deus se deveríamos procurar alguma igreja por ali ou se deveríamos seguir viagem a Arapoti-PR, entendemos que deveríamos seguir em frente. Em Arapoti, visitamos uma livraria evangélica da cidade para divulgarmos nosso material. Entramos em contato com algumas igrejas da cidade, mas a maior parte não atendeu as ligações, conseguimos contato com uma igreja bem legal e os pastores marcaram um café da tarde conosco, porém eles cancelaram devido a um imprevisto, pouco antes do horário combinado, por isso buscamos direção de Deus se deveríamos continuar na cidade ou seguir em frente, pouco depois disso recebemos uma ligação do pastor da próxima cidade, ele e a esposa estavam em Curitiba-PR, mas nos disseram para ficarmos na casa deles, mesmo chegando um dia antes do previsto, só precisaríamos pegar as chaves com um irmão da igreja.

 

pibwb17

Chegamos em Wenceslau Braz pouco depois das sete da noite, demos uma olhada na cidade e procuramos um lugar para comer alguma coisa com os últimos trocados que ainda nos restavam no bolso, os mercados já estavam fechados e vimos algumas lanchonetes, decidimos para em uma delas para comprarmos alguma coisa, vimos o cardápio e os preços eram justos, porém o que tínhamos no bolso não pagaria o lanche ou a janta. Foi ai que devolvemos o cardápio e voltamos para o carro, um pouco tristes por não poder comer nada, mas acabamos encontrando um único mercado que ficava aberto até as oito da noite. Conseguimos comprar pão e queijo, era o suficiente, comemos, tomamos água que ainda tínhamos na nossa garrafa reserva e decidimos procurar o endereço da igreja, quando vimos um posto a direita pensamos em parar para pedir informação, mas antes de pararmos acabamos olhando para a esquerda e vimos uma placa bem grande com o nome da igreja, rimos muito (por ter encontrado o templo da igreja antes mesmo de pegar o endereço anotado em nossa agenda) e agradecemos ao Senhor. Tentamos contactar o irmão que estava com as chaves da casa, mas ninguém atendia, decidimos esperar ali mesmo, ficamos ali por uma hora ou mais, sabíamos que havíamos chegado um dia antes do previsto e não nos importamos em ter eu esperar do lado de fora, o clima da cidade era bem agradável, a temperatura estava boa. Algum tempo depois o pastor nos ligou novamente e disse que tentaria contato com o irmão das chaves da casa, também nos disse para irmos até uma lanchonete de um outro irmão da igreja, para comermos alguma coisa lá, dissemos que havíamos conseguido pão e queijo e agradecemos. Mais algum tempo depois, aparece um menino, pré-adolescente, fazendo sinal para nós, abrimos o vidro e ele nos chamou para irmos até a lanchonete para comer alguma coisa, ele disse que o pastor havia ligado pra eles, decidimos ir até lá para conhecer as pessoas e talvez tomar algum suco. Levamos o menino conosco no carro e quando chegamos ao local, era exatamente o mesmo local que havíamos parado para ver os lanches e preços no cardápio. O casal responsável pela casa de lanches nos recebeu super bem e compartilhamos um pouco sobre a nossa “maluquice” de largar tudo para servir ao Senhor, ganhamos comida e ficamos ali, compartilhando sobre o Reino de Deus, tocamos algumas músicas, conhecemos alguns irmãos de outras igrejas da cidade que passaram para lanchar por lá e ficamos ali até o pastor chegar.

Quando chegamos a casa deles, era quase meia noite, conversamos até umas três da manhã, eles são realmente elétricos, nos contaram que o posto de gasolina, que fica na frente da igreja é um dos “points” da cidade, que a juventude da cidade vai pra lá para conversar, beber e fazer bagunça com som alto, nos informaram que teríamos que tentar dormir com aquele barulho, pois já era rotina nos finais de semana.

No outro dia, acordamos descansados, tivemos um tempo muito especial com eles, conversando sobre o desafio de começar igrejas, ministério, etc… pudemos aprender bastante. Eles nos levaram para conhecer o trabalho de ação social da prefeitura, é um trabalho bem bonito, visitamos algumas salas dos projetos sociais da cidade e ouvimos algum som de música, nos disseram que era a classe de música da terceira idade que estava acontecendo naquele momento, fomos até a sala para conhecer o trabalho e ouvimos eles tocando violão, ao término da música nos apresentaram e eles pediram para tocarmos uma de nossas músicas, tocamos “Rei da Glória” e eles gostaram bastante, depois pediram para tocar uma moda de viola, alguma música sertaneja, tocamos uma canção sertaneja clássica, eles cantaram e tocaram junto, complementando os versos que o Junior não lembrava, foi muito emocionante ver que apesar da idade eles ainda tem muita vontade de viver e de aprender. Vimos também um grupo de terceira idade ensaiando para uma peça de teatro local, foi muito legal. Depois disso visitamos uma irmã da igreja que mora numa região com uma bela vista do campo, ela nos recebeu com muita alegria e tinha preparado um delicioso pão caseiro que estava quentinho, pronto para ser saboreado com um cafezinho, ela compartilhou um pouco da sua história, oramos e nos despedimos.

No final da tarde, nos reunimos com alguns irmãos para adorarmos ao Senhor juntos, na casa do pastor. O barulho de som alto começou a acontecer perto do posto, conforme nos haviam dito, começamos a adorar com intensidade, declarando a Palavra de Deus e o governo de Cristo para aquela cidade, algum tempo depois o barulho havia parado e as pessoas foram embora, estávamos certos de que o Senhor faria isso, pois quando buscamos tocar o coração de Deus, ele mesmo toca o coração das pessoas, sem nos preocuparmos com metodologias humanas. Foi tremendo! Nos alegramos no Senhor, quando o povo ora, se arrepende, e levanta adoração ao Senhor a
atmosfera de uma cidade pode realmente ser transformada, não é questão de oferecermos aquilo que achamos bom ou legal, mas dar aquilo que o Senhor quer receber.

No outro dia tivemos o privilégio de aprender um pouco mais com este casal abençoado e ele nos contou um pouco sobre o projeto dos Radicais, que literalmente, irá chacoalhar o estado do Paraná, em seguida tiramos um tempo para criar uma logo para o projeto dos Radicais e idealizar algum material de divulgação, acreditamos neste projeto e cremos que será uma benção, afinal já é hora de preparar e enviar uma nova geração de radicais.

pibwb34

No período da noite, iniciamos o culto com adoração, foi lindo poder ouvir a igreja adorando conosco mesmo que muitos deles ainda nunca haviam ouvido algumas de nossas canções, a questão é que esta é uma igreja com pelo menos dois anos de existência, com mais ou menos trinta novos convertidos que estão avançando em graça e sabedoria, é muito bonito ver uma igreja crescendo de forma saudável. O Junior levou uma palavra, após o período de adoração e ao final da mensagem a luz acabou na cidade inteira, o barulho e a bagunça no point em frente a igreja aumentaram consideravelmente, a palavra havia sido lançada e o desafio fora entregue, por isso desafiamos a igreja a liberar intensa adoração,  quando adoramos ao Senhor com um alvo em mente, as coisas acontecem, por exemplo, se queremos buscar santidade para uma cidade ou região, podemos adorar ao Senhor declarando a Sua santidade, e assim transformar a atmosfera de um lugar, podemos buscar apenas as bençãos do Pai e Ele na sua bondade e misericórdia pode até acabar nos abençoando, mas quando buscamos ao próprio Senhor, quando adoramos o próprio Senhor, temos o privilégio de receber aquilo que necessitamos, mesmo sem pedirmos nada, simplesmente porque Ele é galardoador/abençoador daqueles que O buscam, como disse Marcos Brunet: “se tenho a ti eu tenho tudo”, se temos a Deus, se buscamos a Deus não precisamos de mais nada desta vida, pois ele supre as nossas necessidades, se temos a Ele nós temos tudo, aleluia! Então desafiamos a igreja a adorar ao Senhor com toda a sua mente, força e coração, não havia mais luz na cidade, era hora de cumprir com a palavra que diz que somos luz do mundo, era hora de manisfestarmos a luz do Senhor naquele lugar, adoramos ao Senhor sem equipamentos de som, sem muitos recursos, mas com muita intensidade. Vimos alguns raios no céu, o tempo fechou e caiu um temporal, a chuva desceu forte e todo o povo que estava na bagunça acabou indo embora.

No domingo estivemos tocando no culto de manhã, que é transmitido ao vivo através de uma web rádio e pouco antes do almoço vimos um imenso temporal que estava acontecendo em algum lugar próximo, achamos que era na cidade de Tomazina-PR e região, já em Wenceslau Braz-PR choveu por apenas dois ou três minutos, foi algo muito rápido, mas muito intenso, depois almoçamos com um dos pastores responsáveis pela região do norte pioneiro do Paraná, foi muito bom perceber que de um modo geral, as igrejas batistas continuam avançando naquela região, com um trabalho muito bonito. Tivemos um tempo precioso com um jovem casal no período da tarde, como é bom poder estar junto com pessoas que amam a Deus. A noite já não havia nenhuma bagunça na rua de frente para a igreja, ministramos junto com os adolescentes da  igreja, que serão grandes ministros do Senhor e ouvimos uma palavra desafiadora do Senhor para a igreja local. Alguns adolescentes nos procuraram no final do culto para saber mais sobre a realidade da vida missionária (ou melhor, da vida musissionária – músicos e missionários), levamos uma palavra de incentivo e desafio para  eles, crendo que o Senhor capacitará a cada um de acordo com o chamado individual, uma menina tinha habilidade em trocar os acordes do violão com a mão esquerda e
a irmã nos disse que tinha mais habilidade com ritmos na mão direita, seria fácil juntar as duas para tocarem juntas no mesmo violão, hehe, brinks, uma delas se sentiu bem interessada em aprender a tocar baixo, pois havia visto a Liz tocando baixo naqueles últimos dias, incentivamos outros a aprenderem música e a servir a Deus com algum dom ou talento.

Havia a possibilidade de irmos com os pastores para a cidade de Bandeirantes na segunda-feira, mas infelizmente não deu certo, vimos o noticiário na segunda-feira mostrando que uma cidadezinha no interior de São Paulo havia sido parcialmente destruída por um tornado, isso aconteceu no mesmo momento da tempestade que havíamos visto no dia anterior, oramos por aquela cidade e agradecemos por não termos sido alcançados pela tempestade. Juntamos nossas coisas, fomos abençoados pela igreja, fizemos o carro pegar no tranco porque a bateria tinha pifado e pegamos a estrada de volta para casa. Ao regressar, lembrávamos do amor e cuidado de Deus para
conosco em cada cidade que passamos. Depois de algumas horas estávamos de volta ao nosso lar, com muita gratidão e alegria, uma festa! Estávamos certos de que tudo isto era só o começo!

 

Conheça: https://eletrochurch.wordpress.com/
Curta: https://www.facebook.com/eletrochurch
& Compartilhe.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s